3 de setembro de 2013

Microsoft adquire divisão de celulares da Nokia

Bom dia gestores,

A Microsoft anunciou ontem a compra da divisão de aparelhos celulares da Nokia, além de um arsenal de patentes, por € 5,44 bilhões (aproximadamente R$ 17 bilhões), num momento em que as duas empresas lutam para recuperar a relevância no mercado de tecnologia.


Semana passada a Microsoft  já havia anunciado a aposentadoria de Steve Ballmer, seu presidente-executivo, que já sofria pressões para se adaptar ao crescente mercado de mobile,  e ao encolhimento das vendas de PCs, equipados com seu produto símbolo, o Windows.

Assunto comentado em nosso Blog, a Nokia também estava em um beco sem saída, ex-líder mundial na venda de telefones celulares, viu sua participação de mercado despencar em meio à forte competição com os iPhones, da Apple, Samsung e os aparelhos com o sistema Android, do Google.

Parceiros desde fevereiro de 2011, o negócio põe nas mãos da Microsoft o fabricante mais relevante de aparelhos que equipam seu sistema operacional para dispositivos móveis, o Windows Phone.


Com essa operação a Microsoft ainda leva vários executivos da Nokia, inclusive o seu presidente-executivo, Stephen Elop, que volta para a empresa depois de três anos, ele foi presidente da divisão de negócios, e agora entra na briga pela sucessão de Ballmer.

Elop tomou medidas drásticas na tentativa de melhorar os resultados da Nokia, cortou 20 mil empregos e cancelou o pagamento de dividendos.

A expectativa das empresas é que o negócio esteja concluído no primeiro trimestre de 2014. O acordo depende da aprovação dos acionistas e de órgãos de defesa da concorrência.

A Nokia, empresa de 148 anos, passa a se resumir, agora, basicamente a uma empresa de equipamentos de telecomunicações.

O negócio entre Microsoft e Nokia não é o primeiro a envolver um gigante da tecnologia e um fabricante de celulares. Em 2011, o Google anunciou a aquisição da Motorola Mobility, numa estratégia de impulsionar o uso de seu sistema operacional Android.

Na minha opinião assim como o Google não teve pressa alguma em interferir na Motorola, afinal com o Android bombando, e todos fabricantes abraçando o sistema o Google poderia se dar o luxo de manter a Motorola quieta, apenas atualizando sua linha Droid nos EUA e lançando modelos intermediários e de baixo custo em países-chave (como os D1 e D2 no Brasil) sem correr o risco de perder espaço.

Isso deu tempo e tranquilidade para que, em um mercado saturado como o do Android, as parceiras Motorola/Google surgisse com um aparelho inovador, o Moto X.

No caso da Microsoft, mesmo tendo tomado o terceiro lugar da BlackBerry em vendas e estar em viés de alta nos últimos trimestres, ainda há muito trabalho a ser feito em cima do Windows Phone. E sendo a Nokia responsável por 81% das vendas do sistema, definitivamente não há tempo a perder.


 Lumia 1020 camera com 41 mpixels
É  bem provável que sejam intensificados os trabalhos em cima dos Lumias, afinal a Microsoft deve estar com os cofres cheios para bancar a operação no vermelho por um bom tempo, esse parece ser o tipo de liberdade que deve dar à divisão de smartphones a tranquilidade para continuar trabalhando forte rumo à meta de 15% do mercado para o Windows Phone até 2018.

Sucesso a todos,

Nenhum comentário: