6 de maio de 2013

Projeto de poder do PT, faz governo esquecer da economia.

Boa noite gestores,

Contrariando o governo vem espalando aos quatro ventos, divulgando excelentes números para o povão, falando em crescimento, ética, trabalho duro, e outras cositas más, convido vocês para uma análise mais apurada da situação econômica do Brasil.
Ahhh agora consigo ver alguma coisa.
Já vimos em nosso Blog, que o começo do ano foi complicado para as exportações devido a problemas na infraestrutura, os portos se transformaram em um gargalo, que causou até cancelamento de contratos, a a aceleração da produção industrial em Fev/Mar, era para a reposição de estoques relacionados ao consumo no final do ano, .

Portanto a falta de competitividade prejudica desempenho e a credibilidade do Brasil no mercado externo, afastando os investidores, agora depois de alguns dados do primeiro quadrimestre divulgados essa semana, podemos fazer algumas conjecturas, podem significar a volta do deficit na balança comercial, se nada mudar a curto prazo, isso é um fato.

O governo passou mais de 10 anos surfando no superavit da balança comercial, não aproveitou para implementar reformas e agora, nos últimos 6 meses observa-se uma aceleração da piora nas contas externas do país.

E em que as cabeças pensantes do governo trabalham? Em um programa que facilita a compra de fogões, geladeiras e outros mimos, e a importante PEC dos Portos, das estradas, ferrovias, aeroportos,  mudanças na CLT, e outras coisas relacionadas à infraestrutura, muito importantes para o País.

Neste primeiro quadrimestre, o Brasil ficou com um deficit comercial de US$ 6,2 bilhões, recorde para tal período do ano. As exportações caíram 3,1% e as importações cresceram 10,1%, na comparação com igual intervalo em 2012.

A despeito de boa parte do encolhimento do saldo, US$ 3,5 bilhões, decorrer de atrasos no registro de importação de combustíveis em 2012, uma malandragem do governo, para não piorar as contas e o déficit da Petrobrás, mas que só desfalcou o resultado agora e é evidente a perda no impulso exportador, isso é um fato.

No mercado externo, a perda de espaço nos principais mercados do mundo é nítida, perdemos espaço por falta de negociadores do governo, o resultado é que no primeiro trimestre, as vendas para a Europa e os EUA caíram cerca de 10% e 25%, e a China, que cresce a 7,5%, reduziu suas compras em 2,2%, isso é um fato.

Olhando pelo lado da indústria, um dos motores da economia, em conversa com os professores Roberto (contabilidade) e José Marques (CDE e gestão), comentei que o retrocesso brasileiro resulta da falta de competitividade para produzir e vender produtos manufaturados, isso é um fato.

Nossas exportações se concentram em matérias-primas, o que deixa o país em cheque, em posição de risco, a China, de acordo com várias análises está mudando o seu modelo de crescimento econômico, tentando torná-los menos dependentes, e isso reduz a demanda por commodities, com isso os preços de vários metais de uso industrial têm sofrido queda, e não temos perspectiva dos produtos primários valorizarem como na última década, veja a situação da Vale, CSN, e outros grandes grupos, isso é um fato.

Na agroindústria, os produtos são menos sensíveis a essa mudança, e são beneficiados pela melhoria do padrão alimentar asiático e pela sorte da quebra de safra de concorrentes ocasionadas pelo clima. Mas como um bom administrador, eu não apostaria apenas nesse setor para competir no mercado internacional, é isso é um fato.

Segundo o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), o deficit no comércio de produtos manufaturados atingiu US$ 16 bilhões já no primeiro trimestre, nos segmentos de média e alta tecnologia, o rombo vai a US$ 22 bilhões, nosso País está à margem das cadeias produtivas globais que mais criam valor e conhecimento, e isso é um fato.

Para completar, a conta de serviços que, além da balança comercial, inclui pagamentos de dívidas, gastos de viagens e remessas de dividendos, também se desvia para o vermelho.

O país chega perto de um déficit externo de US$ 70 bilhões (3,3% do PIB) em 2013 e pode chegar a US$ 100 bilhões em 2014 ou 2015, isso é uma previsão de economistas de renome.

Nessa situação o Brasil voltará a depender de capital externo de curto prazo para fechar as contas, porque as transações correntes, comércio, viagens, aluguéis, remessas de lucros, pagamento de juros e outras, têm que ser cobertos com dólares originários de empréstimos, aplicações financeiras ou investimentos de empresas multinacionais.

Guido Mantega, Dilma e o PT, afirmam que não há risco, afinal o Brasil tem reservas de US$ 375 bilhões, e podemos gastar a vontade, afinal já estamos em campanha, não é?

O que eles não sabem é qual será o comportamento do mercado e dos investidores, e se os EUA ou os países desenvolvidos subirem os juros? E se a economia mundial continuar em baixa? e a safra? E a China?

Quem sabe o que é fuga de capitais já está ficando com medo e o que o governo não imagina é que pensamento positivo e fé não funcionam na economia.

Sucesso a todos,

Nenhum comentário: